Newsletter subscribe

Destaque, Tecnologia

Tatuagem temporária mede níveis de glicose no sangue

Posted: 30 de January de 2015 at 17:50   /   by   /   comments (0)
Jacob School Engineering - divulgação

Jacob School Engineering – divulgação

Quem é diabético, sabe o incômodo que é ter que furar o dedo sempre para averiguar os níveis de açúcar no sangue. O método tradicional que temos hoje, que consiste em pegar uma pequena amostra de sangue e colocar num aparelhinho é bastante invasivo e caro.

Diversos pesquisadores trabalham em soluções para tentar reduzir esse incômodo dos diabéticos. O Google já propôs fazer esta medição usando lentes de contato, que conseguiriam usar as lágrimas para verificar o nível de glicose, e mandar uma mensagem para o celular do usuário com o resultado. A solução está em fase de testes e de aprovação pela FDA.

Recentemente, pesquisadores da Jacobs School of Engineering, de San Diego, criaram uma tatuagem temporária que mede o nível de glicose de um modo menos inconveniente que uma picada no dedo. Um par de eletrodos é acoplado no papel da tatuagem temporária, que é aplicada na pele. Uma corrente elétrica bem suave (não chega a ser um choque que incomoda) sai do dispositivo diretamente para o sangue, e sensores no adesivo detectam os níveis atualizados de glicose no sangue.

Os dispositivos funcionam graças a miniatura feita a partir de uma tecnologia não invasiva que fica entre a tatuagem e a pele de quem usa. Ela detecta a glicose através de uma enzima que quebra o açúcar em peróxido de oxigênio e hidrogênio. A quantidade de peróxido de hidrogênio é um indicador para níveis glicêmicos sanguíneos.

A equipe idealizadora do projeto publicou suas conclusões positivas no Analytical Chemistry Journal. Eles planejam desenvolver o produto a ponto de torná-lo mais durável e a pesquisa seguirá em busca de desenvolver um dispositivo que permitirá leituras numéricas.

Comentários

comentarios

About Janaina Oliveira

Analista de Comunicação e Marketing, gosta de estudar sobre o mercado, as empresas e como elas podem inovar para fazer um mundo melhor.